Bastante resistente ao sol, cactos, suculentas e agaves sobrevivem em qualquer espaço da sua casa. Veja como cuidar dessas plantas!

Os cactos, as suculentas e as agaves são as verdadeiras joias do deserto: espécies ricas em reserva de água, sobrevivem em qualquer canto da casa desde que haja bastante sol e não exista umidade. Com formas esculturais e cores variadas, eles ficam ainda mais exóticos quando brotam as flores, o que pode demorar muitos anos.
Cactos
 
O nome deriva do grego káktos, que quer dizer “planta espinhuda”, defesa que protege a espécie contra o ataque de animais herbívoros e serve para captar gotas de orvalho como fonte adicional de água. No Brasil, é possível encontrar cerca de 200 variedades das mais de duas mil espalhadas pelo mundo. Embora nativos de regiões áridas, os cactos se adaptam bem a climas amenos. “Como estas espécies precisam de pouquíssima água, não existe a necessidade de plantá-las em locais com furos de drenagem”, explica o paisagista Odilon Claro.
Dicas de cultivo: bastante resistente ao sol, os cactos maiores devem ser regados a cada cinco dias, e os minicactos a cada quatro. No inverno, dobre o intervalo para regas quinzenais. Como crescem conforme a área disponível, transplante o cacto para um recipiente maior no fim do outono ou no início da primavera.
Suculentas
 
“Os cactos representam o Novo Mundo, enquanto as suculentas vêm de regiões como África do Sul e Madagascar”, conta o paisagista Roberto de Sá. As plantas, porém, são da mesma família. A diferença é que os cactos geralmente não têm folhas, armazenam água no caule rechonchudo, apresentam espinhos e uma maior diversidade de tamanhos – vão de dois cm a 15 m de altura. No cultivo doméstico, os especialistas recomendam um solo com muita areia para as duas espécies. “O excesso de umidade é fatal, por isso é bom garantir o escoamento de água preparando o vaso com uma camada de argila expandida e manta de drenagem”, explica a bióloga Assucena Tupiassu.
Dicas de cultivo: Atenção para ela ter sol ou bastante luminosidade, necessitando, na sua maioria, pelo menos meia sombra, indica a paisagista Cornelia von Ammon. O ideal é molhá-las a cada dez dias no verão e a cada 20 dias no inverno. Dispense a rega se a terra estiver úmida.
Agaves
 
Folhas de formato de espadas longas são características dessa variedade de suculenta fibrosa e de crescimento lento, que dá origem ao sisal e à tequila, uma bebida típica mexicana. Da mesma forma que seus parentes espinhosos, essas plantas não necessitam de muita rega. “Numa área coberta, molhe uma vez por semana no verão e uma vez por mês no inverno”, ensina Gerardus Olsthoorn, produtor de plantas do deserto. De maneira geral, os agaves dispensam podas, mas em algumas espécies convém retirar os brotos laterais em excesso. As flores demoram de dez a 12 anos para brotar e surgem apenas uma vez na vida. “Em vasos ou canteiros, eles formam composições exóticas e de grande impacto, além de resistir a sol e vento”, diz o paisagista Gilberto Elkis.
Dicas de cultivo: “Preferem a secura e é importante que o solo seja bem drenado, já que o excesso de umidade apodrece a planta. No Verão, podemos regá-la com mais frequência, mas, no Inverno, basta regá-la de dois em dois meses.
Como deve ser a composição do solo
• 50% de areia de construção
• 40% de terra e matéria orgânica (húmus ou sobra de vegetais)
• 10% de terra vermelha
Como transplantar as mudas
Os cactos crescem conforme o espaço no vaso. Se você deseja que ele fique mais exuberante, faça o transplante para um recipiente maior no fim do outono ou no início da primavera, quando as chuvas diminuem.
1. Proteja as mãos e a planta com uma tira de papel dobrado ou luvas. Retire a muda devagar e abra um buraco no composto do novo vaso já drenado.
2. Ajeite o cacto na terra e preencha com mais composto. Aperte levemente a superfície.
3. Remova suavemente a terra depositada entre os espinhos e as folhas com um pincel macio.
4. Coloque pedras decorativas e pedriscos. Espirre água para lavá-los e aguarde quatro dias. Regue moderadamente.